O Acervo

Este acervo que ora disponibilizamos é composto de cerca de 30.000 fotografias, todas de autoria de Zélia Gattai, cujos negativos estão sob a guarda da Fundação Casa de Jorge Amado. As fotografias não podem ser copiadas ou utilizadas sem prévia autorização. Desejando adquirir ou negociar a utilização das imagens entre em contato pelo fale conosco.

A criação deste banco de imagens contou com a dedicada participação de Paloma Jorge Amado e faz parte da programação comemorativa com que a Fundação Casa de Jorge Amado celebra o centenário de nascimento de Zélia Gattai Amado.

Integrando o conjunto de documentos depositados na Fundação Casa de Jorge Amado, o Acervo Zélia Gattai, tem sua culminância na coleção de fotografias que ela produziu, selecionou e guardou a vida inteira, como um penhor de permanência da imagem do escritor em contraponto à importância de sua obra.

Abrangendo cinco décadas de vida em comum do casal o arquivo fotográfico de Zélia Gattai foi iniciado em 1946, quando se encontrava no exílio e, desejando enviar fotos do filho, João Jorge, para os avós no Brasil, comprou sua primeira máquina fotográfica no famoso Mercado das Pulgas, em Paris.

Nós fomos ao mercado — Marché aux Puces — lá na França, [...] e aí eu vi uma máquina pendurada por um barbante, uma maquininha dessas de sanfona, baratinha mesmo. Compramos. A máquina era antiga, mas tinha umas lentes maravilhosas; eram lentes Zeiss, era uma máquina alemã. E eu comecei a fotografar, e as fotografias ficaram boas. Eu fui me animando. Continuei. De repente, me dei conta de que havia coisas que só eu podia fotografar de Jorge — lugares onde não havia outro fotógrafo, só eu. E fiz fotos com personalidades, com amigos — Neruda, Guillén, Sartre, Aragon, Paul Éluard —, com essa gente toda que a gente conheceu por lá, declarou numa entrevista.

O gosto pela fotografia fez com que Zélia prosseguisse documentando, passo a passo, a trajetória de Jorge Amado, que, no decorrer dos anos, cada vez mais se afirmava como protagonista de acontecimentos que atestam sua presença constante nos mais variados cenários da vida política e cultural do século XX.

Esse arquivo fotográfico de valor incalculável retrata 50 anos de história cultural e política, destacando personalidades que marcaram uma época. Ao longo do tempo, através das lentes de Zélia Gattai, com dedicação e senso de oportunidade, foi construindo uma memória de vida, uma biografia escrita com a luz. Fruto de um trabalho que pode ser considerado de profissional, e não de amadora, como ela modestamente se intitulava, foi doado à Fundação Casa de Jorge Amado para que ali ficasse preservado e pudesse servir como complemento aos estudos sobre Jorge Amado nos mais variados momentos de sua extensa e movimentada existência. Sempre preocupada com a continuidade e a sobrevivência da então nascente instituição, determinou que os recursos com a venda das fotografias fossem revertidos em benefício da Casa.